3 problemas na concessão de crédito para empresas: como evitar

A concessão de crédito é um processo delicado, que afeta os clientes que precisam de sua liberação e as empresas que podem disponibilizá-lo. De um lado, temos o cliente, que precisa daquele valor para fazer um investimento ou uma compra. Do outro, a empresa que quer conquistá-los ou fidelizá-los, mas teme a inadimplência.

Entre uma ponta e outra do processo, estão diversos profissionais que também são afetados, como vendedores, analistas e gerentes. Tornar a cadeia de solicitação e concessão de crédito mais simples é um desafio que todas as empresas desejam vencer. Porém, é importante identificar os principais problemas nesse modelo e aplicar estratégias para solucioná-los.
Neste artigo, apresentamos os principais problemas que as empresas encontram no processo de concessão de créditos e o que fazer para evitá-los. Confira!

3 problemas na concessão de crédito para empresas: como evitar

1. Falta de critérios bem definidos para concessão de crédito

A política de concessão de crédito é a formação de regras que definem quais critérios o cliente deve atender para ter sua solicitação de crédito atendida. Na teoria parece bem simples, porém, é na prática que os problemas aparecem.
As empresas têm suas regras de concessão de créditos, mas muitas vezes não são bem claras e definidas. Com isso, abrem margem para a subjetividade, ou seja, o entendimento individual de cada analista, podendo até tornar a análise reativa impedindo o crescimento da empresa.

Como evitar?

A criação de uma política de concessão de crédito deve detalhar quais são os critérios definidos pela empresa, deve levar em consideração cada perfil de cliente e não uma regra geral para todos, dessa forma classificando e segregando sua carteira clientes, como críticos ou não para que o crédito seja liberado.
Além de criar uma política, a empresa deve levar em consideração sua Estratégia, Cultura e Operação de negócio para garantir seu crescimento e segurança e não permitir que concessões sejam feitas apenas porque há relações pessoais entre o solicitante e um colaborador.

 

2. Diversas plataformas para gerenciar

O mercado de análises de crédito é composto por diferentes empresas que capturam dados dos clientes. O analista precisa conferir cada uma das plataformas para confirmar os dados dos clientes, verificar o risco da operação e armazenar as informações em diferentes locais.

Esse processo manual acaba tomando muito tempo do profissional que, ao fim de sua análise, ainda não tem a certeza de que a decisão tomada foi a melhor. Surge a necessidade de ter todas as informações e cruzamentos unificados e baseados em um score (pontos) de acordo com a política da empresa.  

Como evitar?

O ideal é ter essas informações centralizadas em um único lugar, como um software de gestão de crédito. Isso é possível por meio de plataformas que unificam a integração com o Sistema ERP da companhia e os birôs de crédito que já utiliza, cruzando os dados, usando informações combinadas e entregando um diagnóstico da análise baseada nos riscos da operação em apenas uma tela. Dessa forma, a análise é realizada de acordo com a política da empresa e não apenas em uma regra geral.

 

3. O ERP (quando existe automação): baseia-se em regras gerais de avaliação, não na política da empresa

Essas regras de avaliação genérica das informações não são suficientes para definir se o cliente tem ou não um perfil satisfatório para conceder mais ou menos crédito.

O maior problema nesse processo é o tempo que o analista perde, levando em consideração que a rotina é feita diversas vezes e com diferentes clientes.

Como evitar?
Com uma plataforma de automação para análise de crédito, a empresa consegue incluir sua política, bem como integrar processos e pessoas para automatizar a rotina manual e trazer mais agilidade e segurança, com informações de acordo com a estratégia e crescimento da empresa.

A concessão de créditos deve ser feita de forma segura para evitar prejuízos para o negócio. Identificar os erros desse processo é o primeiro passo para reduzir os problemas que podem ser enfrentados no futuro.  Agora que você já sabe quais são os principais problemas, faça uma avaliação em seu negócio e aplique as mudanças necessárias para que os riscos sejam minimizados.