O que é Gestão de Risco de Crédito?

Mesmo tomando todas as precauções, vender a prazo e conceder crédito a um cliente é sempre uma ação que envolve riscos para qualquer empresa. Afinal, nunca há 100% de garantia do recebimento de todo o valor concedido, dada a multiplicidade de variáveis que podem incidir sobre esse momento e levar o cliente ao não cumprimento do contrato.

A inadimplência, por exemplo, nem sempre segue um padrão e, vez ou outra, acaba por surpreender o empresário.

Por esses e outros motivos, a gestão de risco de crédito é um fator de grande importância com o qual as empresas precisam lidar. Se o risco de crédito de uma empresa é gerenciado corretamente, por meio de modelos de gestão apropriados, ela é capaz de cumprir com os requisitos regulamentares de crédito e aumentar a segurança dos seus negócios.

No post de hoje, falaremos um pouco mais sobre gestão de risco de crédito, conceituando-a e mostrando porque ela é tão importante para a sua empresa. Acompanhe:

O que significa gestão de risco de crédito?

A noção inicial da gestão de risco de crédito parte da compreensão do chamado risco de crédito. Sendo assim, é imprescindível conhecer o conceito desse último para entender o que, de fato, é a gestão de risco de crédito.

De maneira simples, o risco de crédito refere-se à probabilidade de um cliente faltar com os pagamentos de qualquer tipo de dívida. Esse risco está presente em praticamente todos as modalidades de transações financeiras que, de alguma forma, tenham a confiança como um dos fundamentos.

Por outro lado, a gestão de risco de crédito é o conjunto de práticas voltadas não só à redução dos riscos de crédito, mas à toda estruturação da empresa para lidar com esses riscos e eventuais danos que eles possam causar.

O que fez a gestão de risco de crédito tornar-se uma necessidade?

A Grande Recessão Global de 2008 e a crise de crédito que se seguiu colocaram a gestão de risco de crédito das empresas no foco regulatório. Como resultado, os reguladores começaram a exigir mais transparência: eles passaram a querer se certificar de que os bancos possuíam conhecimento aprofundado sobre os clientes e seu risco de crédito associado.

Os novos regulamentos de Basileia III — uma série de propostas para a reforma das regulamentações bancárias — criaram uma carga regulatória ainda maior para os bancos. Isso afetou também todas as empresas que realizam operações que envolvem a concessão crédito, sejam elas da indústria ou do comércio.

Para cumprir com requisitos regulatórios mais rigorosos e absorver os maiores custos de capital para o risco de crédito as empresas, precisaram reformar suas abordagens sobre esses riscos, surgindo uma necessidade de uma verdadeira gestão deles.

Quais os desafios para uma gestão de risco de crédito bem-sucedida?

Os principais desafios para a gestão de risco de crédito estão ligados aos sistemas de TI, que, por sua vez, são responsáveis por implementar modelos, ferramentas e processos usados para tal gerenciamento. Vejamos quais são eles.

Silos de dados

Se os dados não estiverem facilmente acessíveis 24 horas por dia, os relatórios de risco de crédito podem ser dificultados por atrasos problemáticos. O acesso à informação deve seguir um fluxo contínuo e os envolvidos nos processos devem ter facilidade na compreensão dos dados, o que significa que eles devem estar bem estruturados.

Falta de flexibilidade

Caso as atualizações dos modelos e ferramentas de risco existentes sejam lentas e onerosas, as empresas correm o risco de usar modelos e sistemas desatualizados, que não refletem a atual inclinação de risco de sua organização e, em razão disso, proceder a avaliações insuficientes e perigosas.

Relatórios difíceis

Se os dados de risco de crédito estiverem espalhados por várias planilhas individuais, a agregação, consolidação e geração de relatórios de risco se tornam tarefas extremamente demoradas e propensas a erros.

Mais uma vez ressalta-se a necessidade de que os dados e informações dos clientes, mercado, projeções etc., estejam muito bem organizados e estruturados. Porém, isso nem sempre acontece, dado o volume de informações com que se lida.

Falta de automação

Os fluxos de trabalho de avaliação de crédito e originação são processos de missão crítica, isto é, necessitam estar ativos em tempo integral. Contudo, essa é uma tarefa bastante complexa, especialmente quando ainda existem processos manuais, lentos e burocráticos na empresa.

A falta de automação na gestão de risco de crédito impacta diretamente a qualidade desses processos, pois diminui a sua eficiência operacional, aumenta os custos, além de tornar os erros mais comuns.

A solução para contornar esse problema, sem dúvida, está no investimento em softwares de gestão, sistemas autônomos de avaliação de crédito, além de soluções inovadoras, como a utilização do BPM e Business Intelligence, que ampliam de forma significativa o volume de informações processadas e tornam a gestão de risco muito mais segura e confiável.

Regulamentos de conformidade

A profundidade, largura e interconexão dos requisitos regulamentares aumentaram bastante. Agora, mais do que nunca, as organizações exigem tecnologias que as ajudem a cumprir com esses requisitos — a exemplo das citadas no tópico anterior — e, ao mesmo tempo, a agilizar os processos e acelerar as decisões de concessão de crédito.

Como desenvolver uma gestão de risco de crédito consistente?

Os cinco C’s do crédito

Uma gestão de risco de crédito eficiente se apoia em alguns valores bastante conhecidos pelas empresas e seus setores financeiros. Os cinco C’s de crédito, como são amplamente conhecidos, correspondem aos seguintes elementos:

  1. caráter: está vinculado ao histórico financeiro do cliente e sua reputação no mercado. Aqui, analisa-se principalmente as transações efetivadas no passado;
  2. capacidade: diz respeito à capacidade que a empresa solicitante do crédito possui para saldar a dívida;
  3. capital: corresponde ao patrimônio líquido da empresa-cliente e seus sócios. Tudo aquilo que compõe o inventário do solicitante do crédito;
  4. colateral: se refere às garantias dadas em troca do crédito. A exemplo, pode-se citar equipamentos da empresa, imóveis, ativos, entre outros;
  5. condições: tem como premissa a atual situação financeira do cliente, suas perspectivas e potencial para crescimento ou declínio.

Considerar cada uma dessas variáveis no processo de concessão de crédito é o ponto de partida para uma tomada de decisão mais segura, dada a diversidade de critérios analisados do cliente.

O papel da tecnologia

A avaliação e monitoramento de riscos de crédito, em conciliação com a automação de processos de originação de crédito por meio de softwares, desponta com uma das melhores iniciativas que vêm sendo adotadas pelos empresários, além de ser também a que mais se alinha com o mercado atual.

A utilização de softwares aprofunda os processos de análise de dados e informações, permitindo às empresas lidar com diferentes fontes de análise, como histórico de transações financeiras, bancos de dados públicos e privados, consultas cadastrais em órgãos públicos — a exemplo da Receita Federal —, entre outras medidas que não seriam possíveis sem a tecnologia.

A partir dessas informações, o setor de TI, vendas, financeiro etc., podem trabalhar com um embasamento mais sólido sobre as condições do cliente, garantindo uma concessão de crédito mais segura.

Neste contexto, os softwares, por exemplo, incluem a divulgação e análise de demonstrações financeiras e a implementação e execução de modelos internos de classificação de risco de crédito, ajudando empresas da indústria e comércio a automatizar fluxos de trabalho de crédito e tomar decisões de concessão mais bem informadas.

Por fim, como vimos, a gestão de risco de crédito é um processo indispensável no atual mercado. Afinal, garantir a regularidade financeira da empresa com o fechamento de bons negócios com clientes bem qualificados é a base para uma atuação empresarial menos suscetível a problemas como a inadimplência.

Então, as informações deste post lhe foram úteis? Deseja melhorar a gestão de risco de crédito em sua organização? Podemos ajudar. Entre em contato conosco e conheça as nossas soluções!